-Português -PT Configurações

Configurações

Please select your country!

{{group.Text}}

{{"ifind_go-back" | translate}}

{{group.Text}}

Usinagem com porta-ferramentas acionados

Tecnologia 2017-06-15 Åsa Backman Stefan Estassy

A troca rápida e os porta-ferramentas acionados reduzem o tempo total da manufatura e permitem uma usinagem flexível.

Na manufatura, a produtividade cai de acordo com a quantidade de peças que você pode fabricar em um determinado período. Os dois parâmetros que precisam ser ajustados com cuidado são a taxa de remoção de metal e a utilização da máquina.

“A taxa de remoção de metal é um parâmetro óbvio de produtividade, mas eu diria que a utilização da máquina é ainda mais importante,” afirma Mats Backman, gerente de projeto para sistemas de fixação na Sandvik Coromant. Não importa a potência da máquina nem a eficiência das ferramentas que estão removendo metal, a máquina deve estar funcionando para produzir as peças.

Há muitos anos, a Sandvik Coromant tem defendido a usinagem “green light" (sinal verde), mas existem vários fatores que impedem que o sinal verde da produção acenda, por exemplo, a troca de ferramentas, muitas medições, ajuste do sistema de refrigeração e mudança da peça para outra máquina para uma operação subsequente.

Bo Hammarberg, gerente de produto e especialista em aplicação para fixação de ferramentas na Sandvik Coromant, diz que um número crescente de clientes está usando os centros de torneamento com porta-ferramentas acionados (DTH) para reduzir o tempo total de produção. Essa solução possibilita uma usinagem flexível de várias operações em uma máquina e reduz os gargalos na produção.

“As máquinas com eixo B são uma opção para executar torneamento, fresamento e furação com apenas um set-up,” conta Hammarberg. “Porém, para produções com volume médio a alto, é difícil competir com uma troca mais rápida da ferramenta em um centro de torneamento com uma torre, pois ele faz a indexação muito mais rapidamente. A única desvantagem dos porta-ferramentas acionados é a quantidade limitada de posições da ferramenta, mas isso pode ser facilmente resolvido com nosso sistema de ferramentas Coromant Capto Troca Rápida.”

Esse sistema de ferramentas Coromant Capto é muito conhecido na indústria por reduzir substancialmente o tempo gasto com medições, set-up e troca de ferramentas, assim como por ter refrigeração interna que economiza muito tempo se comparado com o ajuste da tubulação da refrigeração externa. Em vez de trocar ferramentas desgastadas na máquina, a solução permite substituir a unidade inteira por uma semelhante em segundos. A ferramenta desgastada pode ser substituída na unidade inicial com a máquina em operação.

“Cada segundo economizado na montagem e na medição significa um segundo a mais para usinar naquela máquina,” analisa Backman. “Esses parâmetros têm um impacto enorme na utilização da máquina.”

Para poder recomendar a melhor solução de fresamento para os centros de torneamento, Hammarberg e Backman usaram um moderno centro de torneamento CNC para testar ferramentas para fresamento em quatro diferentes set-ups de sistemas de ficação, com porta-ferramentas standard e curtos. Os curtos são específicos para DTHs, sem canais para garras necessários para troca automática da ferramenta, o que permite o menor comprimento possível.


Como foram os testes



​Teste 1 - Versão delgada e versão T

Foram testados dois CoroChuck 930 diferentes: uma versão delgada com canais para garras e uma versão T sem canais para garras junto com uma CoroMill Plura com 16 milímetros de diâmetro em uma operação de canais em cheio.
A versão T superou a versão delgada em termos de batimento radial da ferramenta e taxa de remoção de metal, devido ao set-up da ferramenta ser mais curto. A profundidade máxima de corte, antes de começar a vibração, foi de 3 milímetros para a versão delgada e 12 milímetros para a versão T.

Teste 2 - Diferentes adaptadores Coromant EH

Dois adaptadores diferentes Coromant EH foram testados: um adaptador standard com canais para garras e outro com desenho curto e sem canais para garras. Ambos usaram uma CoroMill 316 com 16 milímetros de diâmetro em uma operação de usinagem de canais em cheio.
Os adaptadores Coromant EH propiciam um comprimento de montagem mais curto do que as que usam um mandril, o que representa uma vantagem em máquinas pequenas. O comprimento curto permitiu que os desenhos normais e curtos usinassem na profundidade de corte máxima.

 

 

Usamos cookies para melhor a experiência de navegação em nosso website. Mais sobre cookies.