-Português -PT Configurações

Configurações

Please select your country!

{{group.Text}}

{{"ifind_go-back" | translate}}

{{group.Text}}

Fatores que influenciam a vibração


Para minimizar a tendência à vibração:

  • Use um ângulo de posição grande e um ângulo de saída positivo
  • Use ângulo de ponta e raios de ponta pequenos

  • Use uma macro geometria positiva
  • Controle o padrão de desgaste e o tratamento ER na micro geometria
  • A profundidade de corte deve ser maior que o raio de ponta.

A força radial menor fornece menos deflexão radial e menos problemas de vibração. Para melhores resultados; use uma profundidade radial de corte que seja maior que o raio de ponta quando usar um ângulo de posição de 90° (0° ângulo de ataque). Se a profundidade radial de corte for menor, um ângulo de posição de 45° dará resultados iguais.

  

Tendência à vibração
Ângulo de posição
Ângulo de ataque
Raio de ponta e ângulo de ponta. mm (pol.)
Macrogeometria
Microgeometria
Profundidade de corte em função do raio de ponta
 

 

Tenha em mente que redirecionar as forças pode reduzir a deflexão:

  • O ângulo de posição o mais próximo possível de 90° (ângulo de ataque 0°) maximizará a parte da força de avanço proveniente de trás da peça na direção axial. Uma força na direção axial causará menos deflexão da ferramenta que forças iguais na direção radial.
  • Para torneamento interno, o ângulo de posição deve ser menor que 75° (ângulo de ataque 15°).
  • Quanto mais positivo for o ângulo de saída, serão necessárias forças de corte mais baixas para usinar a peça. Forças de corte menores significam menos deflexão.
  • Força menor na direção radial resulta em menor deflexão radial
Direção da força: axial principalmente Direção da força: axial e radial
O ângulo de saída negativo aumenta as forças de corte O ângulo de saída positivo gera menos forças de corte

 


Ft = forças tangenciais e Fr = forças radiais

Ângulo de ponta da pastilha

Selecione uma forma de pastilha relacionada ao ângulo de posição e às especificações de acessibilidade da ferramenta. Uma regra geral é sempre escolhe o menor raio de ponta possível para reduzir a tendência à vibração. Quando escolher o ângulo da ponto, há dois caminhos a escolher:

  • Um ângulo de ponta de pastilha pequeno melhorará a estabilidade da ferramenta e fornecerá bom espaço para superfície de fuga e pequenas variações da área de cavacos se a ferramenta começar a vibrar em uma direção radial
  • Um ângulo de ponta da pastilha maior fortalece a pastilha e a confiabilidade, mas requer mais potência de usinagem, pois uma aresta de corte maior está em contato no corte




 

Geometrias positivas

As geometrias positivas e os ângulos de saída positivos geram forças de corte mais baixas e menor deflexão da ferramenta. Portanto, escolha a geometria mais positiva que puder com um quebra-cavacos adequado para seus dados de corte. Isto pode diminuir um pouco a resistência ao desgaste, a força da aresta e o controle de cavacos porque o controle de vibração está sempre em equilíbrio.

 
 

Pastilhas Wiper

Geralmente, as pastilhas Wipers não são a primeira escolha quando o assunto é evitar a vibração, pois as forças de corte mais altas e a deflexão radial são difíceis de superar. Em condições muito estáveis, porém, as pastilhas wiper podem fornecer benefícios reais para o acabamento superficial e dados de corte maiores.

 

 

Arredondamento da aresta

Um arredondamento de aresta (ER) menor fornece forças de corte mais baixas em todas as direções. Isto resulta em ação de corte mais fácil e menos deflexão da ferramenta. As pastilhas retificadas têm arredondamento de aresta menor que as pastilhas diretamente prensadas, o que é verdadeiro também para pastilhas sem cobertura ou com cobertura fina.

 

M = Pastilhas diretamente prensadas

G = Pastilhas retificadas, normalmente com ER​ menor

E = Pastilhas retificadas para tolerâncias mais estreitas e aresta viva

 

Dados de corte

Desgaste excessivo da pastilha, como desgaste do flanco deve ser evitado, pois ele altera a folga entre a ferramenta e a parede da peça, causando problemas de vibração. 

 
Velocidade de corte, vc

A velocidade de corte correta evitará a aresta postiça que influencia o acabamento superficial, as forças de corte e a vida útil da ferramenta.

  • A velocidade de corte excessiva pode gerar desgaste de flanco reduzindo a segurança e a confiabilidade devido ao entupimento de cavacos, escoamento insatisfatório dos cavacos e quebra da pastilha, especialmente quando usinar furos profundos
  • As velocidades de corte muito baixas irá gerar a aresta postiça
  • Padrão de desgaste desigual diminuirá a vida útil da ferramenta e o acabamento superficial, portanto, presta atenção no padrão de desgaste
  • O material da peça tem grande impacto sobre a velocidade de corte que você pode aplicar
Profundidade de corte, ap e avanço fn

A combinação de ap e de fn é importante para alcançar as melhores áreas de cavacos possíveis. Duas regras gerais:

  • Programe ap maior que o raio de ponta
  • Programe um fn 25% do raio de ponta no mínimo, dependendo do acabamento superficial necessário

Um dos primeiros fatores a considerar se houver vibração durante a usinagem com longos balanços é aumentar o avanço e a segunda ação remediadora é alterar a velocidade de corte. Geralmente, os melhores resultados são alcançados com velocidade de corte mais alta.

Área de cavacos
  • Se a área de cavacos for muito grande, as forças de corte também são altas
  • Se a área de cavacos for muito pequena, o atrito entre a ferramenta e a peça é muito grande e pode ocorrer um efeito de esfregamento

 

 
Usamos cookies para melhor a experiência de navegação em nosso website. Mais sobre cookies.